quarta-feira, 1 de junho de 2011

A Espiritualidade Bíblica

     
     O Espírito é a porta que nos introduz em Jesus. Ele nos prometeu o Espírito. Precisamos beber nas fontes da espiritualidade contemporânea. Seria melhor dizer que precisamos beber nas águas da Interespiritualidade.
     A Bíblia é uma fonte de espiritualidade. É o livro no qual toda a realidade é contemplada sob a perspectiva do Espírito Santo de Deus. A história, as origens, o fim são contemplados sob o protagonismo do Espírito que paira no início da criação         (Gênesis 1). O espírito canta ao Senhor Jesus o Marana Tha (Vem não tardeis), no fim do livro do Apocalipse. Todos os livros da Bíblia olham para a história e para a natureza com os “sete olhos” do Espírito Santo. A vida e missão de Jesus são geradas e iniciadas sob a força do Espírito Santo. Acreditamos que o Espírito Santo é o autor transcendente do Santo Livro, a Bíblia, o grande livro da espiritualidade. A espiritualidade bíblica é muito abrangente: é a espiritualidade do corpo e da alma, do individuo e da comunidade, do tempo e da eternidade, da humanidade, da natureza e do cosmos, do templo e do planeta e o cosmos como o grande templo de Deus. Espiritualidade bíblica nos faz sair de nós para nos conectarmos com tudo o que existe.  É a espiritualidade da Aliança com Deus, conosco, com a criação inteira.
Na Bíblia encontramos também a pedagogia da espiritualidade, que nos mostra caminhos excelentes para progredir no Espírito. Um caminho de espiritualidade é a mesma caminhada do Povo de Deus: Gênesis - origem, Êxodo-Aliança, Monarquia - terra-culto, Exílio - purificação-profecia, pós Exílio - visão apocalíptica, vida e missão de Jesus - Aliança definitiva, a comunicação do Espírito Santo e o nascimento da Igreja. Os Salmos representam a vivência dos acontecimentos históricos sob a perspectiva de uma intima Aliança com Deus. Eles nos ajudam a viver no Espírito todas as condições de vida, pessoais, comunitárias e sociais ou históricas.
    A Bíblia é um livro que somente pode ser compreendida no Espírito. É um livro enigmático, oculto para aqueles que não o lêem com o Espírito. Por isso, a espiritualidade bíblica é o resultado da familiaridade dos cristãos com o livro mais sagrado escrito sob ação do Espírito Santo e mantido para todas as gerações.
Por que a BÍBLIA escrita foi assim?
    Explicava a um grupo de estudo que a Bíblia não pode ser interpretada ao pé da letra.  “Mas, então” – perguntou um “deles -,” por que motivo a Bíblia foi escrita e contada dessa maneira?”
      Em minha justificativa, expliquei que os textos sagrados foram dirigidos a povos cristãos de outra época. Quando, por exemplo, os fiéis da comunidade de Tessolônica liam a carta de Paulo, sabiam do que ele estava falando e por que o fazia. Seu vocabulário era conhecido, suas gírias também. Portanto, para compreendermos a linguagem de dois mil anos atrás, são necessários alguns conhecimentos prévios:
1.     Lugar e data de nascimento do autor (ou autores) do livro em questão;
2.     A época em que ele nasceu (era tempo de guerra, paz, exílio?);
3.     Sua cultura e mentalidade;
4.     A estrutura de sua família (muito fechada ou aberta;
5.     Seu temperamento;
6.     Sua raça;
7.     Era homem ou mulher;
8.     Sua religião e sua formação religiosa;
9.     Sua classe social e formação acadêmica;
10.   Sua descrição física: alto, baixo, magro, gordo.

     Situar o autor, “encarná-lo”, é primordial. São qualificações que independem de sua vontade. Jesus também se encarnou com essas características. Se nos pusermos a ler a Bíblia sem antes nos inteirarmos disso será uma leitura desencarnada.
    Uma conclusão se impõe: é preciso estudar, conhecer o contexto de cada um dos documentos a fim de que a mensagem de Deus chegue até nós sem “gordura”, na sua substância primitiva. Só assim compreendemos melhor por que a Bíblia foi escrita assim!

AFONSO DIAS É BIBLISTA, E ASSESSOR DO CEBÍ-SP E SUL DE MG. e-mail abdias49@bol.com.br  Itatiba-SP.

Nenhum comentário: