sábado, 16 de julho de 2011

"O joio e o trigo"

XVI Domingo do Tempo Comum
Evangelho: Mateus 13, 24-43

No Evangelho de domingo passado dia 10 de julho ouvimos a parábola do semeador que saiu a semear. Hoje Jesus nos conta outras três parábolas: a parábola do joio e do trigo, a da semente da mostarda e do fermento na massa. Jesus usa de parábolas para descrever-nos a dinâmica do reino de Deus.
 Somos convidados a sermos semeadores da Boa-Nova de Jesus Cristo também somos alertados a sermos pacientes. Nossa missão de batizados é semear a semente e esperar, sem pressa que a semente nasça, cresça e de frutos. A semente boa foi semeada no coração dos homens, mas veio o inimigo e semeou o mal também e os dois cresceram juntos e por vezes se parecem. Por isso Jesus nos pede que tenhamos paciência que no tempo certo Deus saberá separar o bem do mal.
Pensemos em nossa vida como era antes de nosso encontro pessoal com Jesus. Pode ser que muitos de nós que hoje estamos em comunidades tivemos uma vida desregrada longe de Deus e de seus ensinamentos. Quantos testemunhos lindos nós conhecemos de pessoas que praticavam coisas ruins e que um dia tiveram a graça de encontrar Jesus e sua vida mudou totalmente.
Deus não quer a morte do pecador, mas quer que se converta e se salve. A palavra nos diz que ele não sente prazer com a morte do injusto, mas quer que ele se converta dos seus maus caminhos, e viva. Ez 18, 23.
Olhando tantas coisas ruins que acontece nos dias atuais nos perguntamos: Porque há tanto ódio no mundo e essas pessoas que pratica tais coisas continuam vivos? Outros pensam até que se deveria ter pena de morte para “diminuir” a violência. Não cabe a nós decidir que deve viver ou morrer e sim somente Deus. Deus não desiste de seus filhos, pelo contrario ele sofre até por aqueles que não querem se redimir.
Portanto nossa tarefa de discípulos de Jesus é continuar semeando a boa semente e nesse semear se manifesta o agir de Deus na vida e na historia das pessoas. Nosso Deus é um Deus paciente, lento para a cólera e que nos perdoa porque nos ama. Sejamos assim também com nossos irmãos em vez que querer a morte deles vamos rezar para que Deus os converta.
O reino de Deus é como a semente de mostarda, pode até parecer que os sinais do reino são pequenos diante de tanto mal no mundo, mas Deus age na simplicidade e o que parece pequeno aos olhos do mundo se tornará grande. A obra do reino é silenciosa como o fermento que cresce e torna a massa toda levedada.
Nosso testemunho deve cativar aqueles que ainda não aderiram ao projeto de Deus, tomemos cuidado para não afastar ninguém com nossa prepotência e arrogância. 
Por a semente na terra é nossa missão, fazê-la crescer é obra de Deus.
Abraço fraterno
Em Cristo

segunda-feira, 11 de julho de 2011

"Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra"

13 de Julho
Evangelho - Mt 11,25-27
Escondeste estas coisas aos sábios e entendidos
e as revelaste aos pequeninos.
Só os pequenos o entendem e aceitam a Boa Nova do reino.
   Jesus faz uma prece: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequenos. Sim, Pai, assim foi do teu agrado!” Os sábios, os doutores daquela época, tinham criado uma série de leis que impunham ao povo em nome de Deus. Eles achavam que Deus exigia do povo estas observâncias. Mas a lei do amor, trazida por Jesus, dizia o contrario. O que importa não é o que nós fazemos para Deus, mas sim o que Deus, no seu grande amor, faz por nós! O povo entendia a fala de Jesus e ficava alegre. Os sábios achavam que Jesus estava errado. Eles não podiam entender tal ensinamento.  

AFONSO DIAS É BÍBLISTA, E ASSESSOR DO CEBÍ-SP E SUL DE MG. (35)9924-0250 (11)4538-1446 OU (11)7189-5746 e-mail abdias49@bol.com.br Senador Amaral- MG ou Itatiba-SP.

domingo, 10 de julho de 2011

“Quem não toma sua cruz e não me segue não é digno de mim”

Segunda-feira 11 de julho
Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 10, 34-11, 1
No Evangelho Jesus nos diz que é preciso acolher a ele e sua mensagem mais que qualquer outra coisa. “Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim, não é digno de mim.” Jesus não quer com isso nos afastar de nossos familiares, ele quer sim é que não permitamos que por causa do vínculo que temos com nossos familiares, nós o abandonemos. Sabemos por experiência própria que muitas pessoas de nossa família fazem de tudo para nos afastar dos caminhos de Deus. Às vezes com criticas ou até nos propondo coisas do mundo que acaba por nos levar a renunciar ao evangelho. Não precisamos nos afastar das pessoas que amamos só precisamos nos afastar das práticas que nos levam ao abandono dos ensinamentos do Evangelho.
Amar acima de tudo a Deus é dar a preferência, privilegiar. Se as pessoas queridas são contrarias aos ensinamentos de Jesus é necessário que tenhamos a coragem de fazer nossa opção por Jesus, mesmo que essas pessoas sejam nossos pais ou nossos filhos. Assumir nossas cruzes é assumir a postura de Jesus vivendo o amor o perdão a misericórdia. Aceitando aquilo que não podemos mudar e lutando para mudar aquilo que é possível dentro dos planos de Deus para nós. Ser obedientes ao Evangelho, mesmo se isso nos leva a sofrer injustiças, sofrimentos e até a morte.
Para ser discípulo missionário de Jesus Cristo é preciso coragem e perseverança, pois as perseguições virão e temos que estar preparados. Não devemos ficar com medo, pois isso nos levará a negar Jesus diante do mundo. Mas se tivermos coragem e amor pela missão que ele nos confiou iremos até as ultimas conseqüências sem medo de desagradar nossos familiares, se eles não aceitam nosso modo de ser cristão rezemos por eles e sigamos em frente, pois Deus nos recompensará. Aderir a Jesus e ao seu projeto de salvação acima de qualquer outro vínculo seja familiar, ou com o mundo suas falsas seguranças e sucessos que não podem nos fazer totalmente felizes. Quem entende isso se torna livre para seguir a Jesus. Pois ele próprio nos diz: “Conhecereis a verdade e a verdade vós libertará”. Quem aceita a proposta de Jesus de todo coração se sente livre de qualquer laço seja de sangue ou de amizade e pode se entregar totalmente a Deus como o absoluto em sua vida. E Deus que nos ama nos dará tudo o mais que precisamos. Tomar a cruz e seguir Jesus, pois ele estará sempre ao nosso lado.
Em Cristo