domingo, 27 de maio de 2012

Amor, Vento e Pipa


Deixa passar o vento sem lhe perguntar nada.
            Seu sentido é apenas ser vento que passa... (Ricardo Reis, (heterônimo de Fernando Pessoa)).
            Deixa-me tocar as pedras, sem feri-las por dentro; deixa-me palpar teus rastros sem te descobrir; sinta o meu perfume exalando vento; não perguntes, pois, ele não pensa, não chora, não olha para trás, não se iluda sou somente vento. Então não me perguntes! Sou uma resposta imposta que lhe basta e que lhe passa...
            Minha querida D. um dia abri mão te conhecer-te melhor teus hábitos de costume; um dia decidi amar-te para toda na história, decidi em mim, que sonhos, nem todos necessitam ser realizados. Senão, que sentido teria de sonhar? Se sonhos fossem sinônimos de realização não precisariam sonhar.
            Te quis não realizar-te, me quis não realizar-me para continuar te amando. Entendo que amor não se realiza apenas se sonha. Poderíamos juntos ter crescidos em laços conjugais, ter-nos arrumado uma cabana, uma vassoura para pentear o chão de cada dia, mas preferi te amar sonhando. Um laço se desmancha, mas um sonho é eterno!
            A cada dia que passa o meu amor por ti cresce; brotos nascem ao lado de cada viga de galhos quebrados, minha inspiração aumenta meu desejo por ti sustenta a alegria de ficar passando vento no teu corpo todos os dias. Sonhos é vento! Vento não se realiza não se consome, não ostenta... Passa, somente! Vento engarrafado, dizia meu amigo R. A, não levanta pipa, mas solto, sem limites para soprar faz a leve pipa ganhar ares até o fio acabar. Acaba o fio, mas a vontade de voar, não. Toda pipa sonha com o infinito, mas toda linha sonha em limitá-la.
            Amor é pipa sonhadora que não deseja ficar, mas sempre partir para desenrolar camadas de caminhos pelo ar. Desejos de realizar amores, é fio, linha que prende, agarra, enrola, gruda, machuca, solta, mas sempre puxa para baixo. Quem entende amor assim não sabe o que é amar.
            Se você disser que tudo isso é mentira - que eu não te amo - que quem ama está junto, ao lado... coisa que de mim nunca aconteceu e, nunca irá, é porque ainda acredita na tua ingênua intuição de amar. A estranha mania de pensar as coisas perto. Eu não penso assim, penso tudo muito longe, até mesmo longe de mim. Pra mim o perto é inferno, longe é o céu.
Casar é assim: um dia um é pipa e quer voar, mas o outro faz o papel da linha que pensa sempre em limitar para não perdê-la de vista. O medo de perder faz as pessoas criarem armadilhas invisíveis. As armadilhas invisíveis é a pior coisa que existe, trancafia o espírito.    “Os humanos querem voar, já dizia meu amigo R. A, mas temem o vazio. Não podem viver sem certezas. Por isso trocam o vôo por gaiolas. As gaiolas são o lugar onde certezas moram... Quando as gaiolas são feitas de ferro é fácil perceber a prisão. Os prisioneiros sonham o tempo todo com fugas. Mas há gaiolas que não são feitas com ferro. São feita com palavras. As gaiolas de ferro nos prendem por fora. As gaiolas de palavras nos prendem por dentro”.

            Casamentos iniciam se “amando” de longe. Mas com o tempo vai ficando perto, mais perto, mais perto... Tão perto que o que era “amor” virou inferno. O inferno é feito de linhas, de fios, barbantes que sonham limitar a vida daqueles que desejam sonhar. O sonho de quem quer casar é ficar perto; produzir linhas. “Ergui os olhos e vi, iluminando as encostas da colina, o planeta que sempre indica o bom caminho; (...) Iniciava a subida, e subitamente surgiu ágil e veloz, uma pantera de pele matizada. A fera não me perdia de vista; e de tal modo obstava minha caminhada que muitas vezes desejei retornar. No firmamento a aurora já brilhava; o sol se alçava cercado de astros... com ele criados quando o divino Amor deu vida aos céus”. Dante na “Divina comédia” atravessa o inferno, purgatório e o céu.
            Saiba que quem quer começar fazer uma subida jamais escapará destas fases. Panteras feitas de barbantes ameaçar-te-á com olhos calejados te coagindo sempre a voltar. Mas se você pensa feito eu, acredite no divino amor que ele sempre te libertará. Luzes ofuscam panteras. E luz é sempre liberdade. Ela é livre para ir e para voltar, ninguém consegue agarrá-la. Quando alguém pensa possuí-la, e guarda em um candelabro fechado, logo alguns segundos ela se apaga e vai embora clarear onde lhe deixam manifestar sua liberdade.
            Mas dentre todas estas fases, muitos milagres já vi! Por que duas pessoas sonharam um dia somente produzir pipas.

 Evandro Aires de Carvalho

3 comentários:

Carolina Cunha disse...

Espetáculo!!!!

Anônimo disse...

p

Anônimo disse...

Se casar é produzir linhas, se ficar perto é tornar o amor em inferno, Deus foi um grande tolo, em criar Eva para ser companheira de Adão. Pois no principio Adão era livre, e passou a ter um inferno feito de linhas!!!
Deus quis tornar Adão, mais feliz, mais completo, mas no entanto acoubou-lhe foi é arrumando uma armadilha.