terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Quaresma, tempo de renascer!

Mais uma Quaresma chegou. Trata-se de um tempo especial para nós católicos. Neste período, a liturgia da Igreja convida e prepara para a Celebração Pascal, mediante a conversão, com práticas de oração, jejum e esmola. E todas as Quarta-Feira de Cinzas de cada ano, no Brasil acontece na Igreja Católica o lançamento da Campanha da Fraternidade. A deste ano, na sua 49ª edição, tem por principal objetivo despertar a solidariedade das pessoas em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, discutir, buscar caminhos e apontar soluções sobre a “Fraternidade e Saúde Pública”. A Igreja brasileira lançando olhar no Antigo Testamento, atualiza o Eclesiástico quando afirma: “Que a saúde se difunda sobre a terra” (cf. Eclo 38,8). Portanto, o objetivo desta CF 2012 é refletir o cenário da saúde no Brasil, conscientizar o Governo da precarização de condições dos hospitais e mobilizar a sociedade civil para reivindicar melhorias que lhe garanta um renascer no corpo e na alma.
A Quarta Feira de Cinzas nos ajuda a tomar consciência da nossa contingência humana. Já que Deus disse à Adão e Eva aquando do pecado original: “tu és pó e ao pó hás de voltar” (Gênesis 3,19). E por isso, este dia e tempo, não pode ser um gesto formal, folclórico, mera tradição. Ele deve ser expressão de um compromisso de nos deixarmos moldar pelo Espírito Santo para a conversão pessoal e comunitária, sobretudo, no cuidado para com saúde pública, os doentes e pobres conforme nos ajuda a refletir a Campanha da Fraternidade 2012 e possamos dar ao homem uma nova humanidade e dignidade.
Temos de olhar para a Sagrada Escritura e dela tirarmos lições para os nossos dias. Visto que Quaresma é tempo de renovação e mudança de vida, devemos rejeitar o culto pagão. É fundamental que passemos da idolatria para a adoração ao verdadeiro Deus e a incondicional submissão à sua Lei. Aquela Lei que Deus deu ao povo por meio de Moisés e aperfeiçoada por Cristo ( Cf. Mt 5,17-18). A conversão é abandonar a idolatria e cumprir o que Deus determina. É ser solícito às necessidades dos órfãos, viúvas, doentes, pobres e todos aqueles que direta ou indiretamente estão excluídos por causa da sua religião, cor, tribo, origem e condição social. Trata-se de um convite à mudança de atitudes, de comportamentos, na prática da justiça, da solidariedade, compaixão e mansidão.
Em última instância, a conversão é a recriação do ser, um fato mais admirável que a criação do Universo. Ela é obra em primeiro lugar do Espírito Santo em nós, para que com sabor novo possamos pronunciar a palavra “ABBA”. Um “ABBA” que não faz acepção de pessoas. Porque a meu ver, só os homens e as mulheres novos (as) sentirão compaixão ao ver nos rostos – deformados pela miséria e pela doença –, a face chagada de Jesus Cristo, nosso Salvador.
No tempo da Quaresma sentimos ainda o eco da voz do Senhor, que mediante a Igreja, nos convida à conversão nos fará companhia durante os quarenta dias: “Convertei-vos e crede no Evangelho”. É em chave cristã que somos chamados a entender o forte convite de Jesus a “nascer de novo” (Jo, 3,3). Aqui está meu irmão o verdadeiro sentido da conversão. É essa a grande maravilha que Deus quer operar na vida dos seus amados. Assim, a conversão nos lança num relacionamento mais profundo e íntimo com Deus, a quem não vemos e, necessariamente, com os irmãos, aos quais vemos bater à nossa porta com fome, frio, cansaço, doença, solidão e desespero.
Nesta Quaresma de 2012, o meu maior deseja é que todos nós renovemos a nossa existência em Cristo e com Cristo. Os exercícios quaresmais como jejuns, abstinência, esmola, paciência com o próximo, irão favorecer que realmente nasçamos de novo. Sejamos gestados no seio da Igreja universal, Diocesana, Paroquial e Comunitária. Que na força da vida nova nos impregnemos, com um ardor renovado, no nosso compromisso de servir o Reino de Deus, de dobrar, em atitudes humildes e serviçais. Que de joelhos diante de Altíssimo supliquemos pela conversão, libertação, cura e salvação dos nos irmãos doentes, drogados, prostitutas, pobres e excluídos. É essa a graça que mais desejo e almejo alcançar para todos os cristãos e a você que está lendo esta mensagem, ao participar de mais uma Quaresma. Que Deus nos faça renascer na Sua Graça e nos torne verdadeiros obreiros da sua messe. A você e a toda a sua família desejo um Santo Tempo da Quaresma. Deus o ( a) abençoe.

Pe. Bantu Mendonça Katchipwi Sayla.