segunda-feira, 18 de novembro de 2013

TESTEMUNHO DO JOVEM MATIAS

“O nosso primeiro serviço ao Reino de Deus é o anuncio de Cristo e da sua mensagem, com a palavra e com a vida” [...] (Mc 2,2).
Ser missionário é responder ao chamado que Cristo nos  faz constantemente de ir e anunciar
 o Evangelho a todos os povos.  Nossa  missão dentro da Igreja começa quando, pelo batismo, recebemos o chamado a sermos: “sacerdote, profeta e rei”, no serviço ao Reino de Deus. 

Sacerdote porque participamos do sacerdócio de Cristo, tornando-nos “outro Cristo”. Ser cristão é tornar-se profeta, porque devemos anunciar o plano de Deus e denunciar o que a ele se opõe. Como rei, nós servimos aos irmãos e à comunidade, e somos também herdeiros do Reino de Deus. E por esta graça nos tornamos membros vivos da Igreja.

Não sei dizer ao certo se alguém influenciou diretamente a minha vocação. O que lembro é que ainda criança, com pouco mais de 6 anos, dizia que queria ser padre. Fui coroinha até a adolescência, e desde daquela época meu desejo vocacional só aumentou, e fui aprendendo sobre a palavra de Deus e sentia cada vez mais o amor de Cristo em meu coração. Fiz encontros vocacionais, participei de pastorais e movimentos jovens, e tudo contribui para dar o meu sim a Deus. Mas antes de caminhar nesta direção vivi como qualquer outro jovem, sempre em busca de sonhos e de realizações, trabalhei, namorei, estudei numa universidade, e sempre me questionava se estava no lugar certo, se realmente era esta a minha “missão”, pois o coração era dividido entre dois “amores”, viver como leigo, ou seguir a vocação sacerdotal.

Com o tempo, em um momento da minha vida em que tudo caminhava muito bem, em eu que poderia fazer tanta coisa, pois tinha um bom emprego, um bom salário, poderia ter “luxos” e vivenciar “prazeres”, ou encontrar a mãe dos meus futuros filhos, decidi parar e repensar meus objetivos, e disse o meu sim para Deus. Respondi sim a vocação religiosa e missionária, junto aos Missionários Xaverianos, e estou seguindo o caminho formativo rumo ao sacerdócio missionário.
A missão nos chama e a Igreja necessita de pessoas que abracem a causa de anunciar a Boa Nova. Precisa de jovens que com a sua juventude, agarrem o propósito de levar Jesus a todos os povos. Vivemos em tempos onde é difícil seguir sem ser tentado pelo mundo, mas como nos diz São Paulo: ''vivemos no mundo, mas não pertencemos a ele''. A única certeza que temos é que: estamos aqui de passagem,  e se faz necessário querermos e almejarmos o céu, a glória eterna.
Como consagrado sigo o propósito de proclamar a todos que Jesus Cristo é o nosso Salvador. O mundo está justamente nos mostrando o contrário, vive como se Deus não existisse, e tem feito de tudo para que as pessoas se afastem Dele. Prega-se que não é possível viver a santidade, que é coisa do passado ir e seguir os ensinamentos da Igreja, mas a força do jovem é grande e mostra a todos que é maravilhoso ser cristão, ser de Deus, buscar a Deus e torná-lo conhecido por todos.
Sou feliz em seguir a vocação religiosa, buscando servir o Reino de Deus. Vivo a missão de batizado e consagrado. Como jovem, não é fácil viver como consagrado no mundo de hoje, mas a força vem D’aquele que primeiro nos amou. Portanto, ser religioso, religiosa ou vocacionado, é responder ao grande amor de Deus. Quando decidimos pela vocação, não perdemos nada na vida, mas nos é acrescentado “bens e amores” ainda maiores que, de outra forma não poderíamos conseguir: os bens recebidos são as experiências que podemos fazer como missionários pelo mundo inteiro, aprendendo da vida e da cultura de tantos povos, e os amores são: carinho, afeto e gratidão que recebemos ao sermos acolhidos por novos país, mães e irmãos que Deus vai nos apresentando no dia-a-dia da missão.

                           Atenciosamente,

                                                              Matias Filho

Nenhum comentário: