quarta-feira, 5 de março de 2014

Papa Francisco envia mensagem aos brasileiros sobre a CF 2014

Queridos brasileiros,
Sempre lembrado do coração grande e da acolhida calorosa com que me estenderam os braços na visita de fins de julho passado, peço agora licença para ser companheiro em seu caminho quaresmal, que se inicia no dia 5 de março, falando-lhes da Campanha da Fraternidade que lhes recorda a vitória da Páscoa: «É para a liberdade que Cristo nos libertou» (Gal 5,1). Com a sua Paixão, Morte e Ressurreição, Jesus Cristo libertou a humanidade das amarras da morte e do pecado. Durante os próximos quarenta dias, procuraremos conscientizar-nos mais e mais da misericórdia infinita que Deus usou para conosco e logo nos pediu para fazê-la transbordar para os outros, sobretudo aqueles que mais sofrem: «Estás livre! Vai e ajuda os teus irmãos a serem livres!». Neste sentido, visando mobilizar os cristãos e pessoas de boa vontade da sociedade brasileira para uma chaga social qual é o tráfico de seres humanos, os nossos irmãos bispos do Brasil lhes propõem este ano o tema “Fraternidade e Tráfico Humano”. Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano! «A este nível, há necessidade de um profundo exame de consciência: de fato, quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado como um objeto, exposto para vender um produto ou para satisfazer desejos imorais? A pessoa humana não se deveria vender e comprar como uma mercadoria. Quem a usa e explora, mesmo indiretamente, torna-se cúmplice desta prepotência» (Discurso aos novos Embaixadores, 12/XII/2013). Se, depois, descemos ao nível familiar e entramos em casa, quantas vezes aí reina a prepotência! Pais que escravizam os filhos, filhos que escravizam os pais; esposos que, esquecidos de seu chamado para o dom, se exploram como se fossem um produto descartável, que se usa e se joga fora; idosos sem lugar, crianças e adolescentes sem voz. Quantos ataques aos valores basilares do tecido familiar e da própria convivência social! Sim, há necessidade de um profundo exame de consciência. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa, sem se solidarizar com aqueles cuja liberdade aqui na terra é negada?Queridos brasileiros, tenhamos a certeza: Eu só ofendo a dignidade humana do outro, porque antes vendi a minha. A troco de quê? De poder, de fama, de bens materiais… E isso – pasmem! – a troco da minha dignidade de filho e filha de Deus, resgatada a preço do sangue de Cristo na Cruz e garantida pelo Espírito Santo que clama dentro de nós: «Abbá, Pai!» (cf. Gal 4,6). A dignidade humana é igual em todo o ser humano: quando piso-a no outro, estou pisando a minha. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou! No ano passado, quando estive junto de vocês afirmei que o povo brasileiro dava uma grande lição de solidariedade; certo disso, faço votos de que os cristãos e as pessoas de boa vontade possam comprometer-se para que mais nenhum homem ou mulher, jovem ou criança, seja vítima do tráfico humano! E a base mais eficaz para restabelecer a dignidade humana é anunciar o Evangelho de Cristo nos campos e nas cidades, pois Jesus quer derramar por todo o lado vida em abundância (cf. Evangelii gaudium, 75). Com estes auspícios, invoco a proteção do Altíssimo sobre todos os brasileiros, para que a vida nova em Cristo lhes alcance, na mais perfeita liberdade dos filhos de Deus (cf. Rm 8,21), despertando em cada coração sentimentos de ternura e compaixão por seu irmão e irmã necessitados de liberdade, enquanto de bom grado lhes envio uma propiciadora Bênção Apostólica.

Vaticano, 25 de fevereiro de 2014.
Franciscus PP.

Campanha da Fraternidade 2014

É PARA A LIBERDADE QUE CRISTO NOS LIBERTOU (Gálatas5,1)
Neste ano a Campanha da Fraternidade traz o Lema: Para Liberdade que Cristo nos Libertou.(Gl5,1) e o Tema: Fraternidade e Tráfico Humano. O tráfico humano nasce de interesse de pessoas e de grupos baseado na mentira, por isso ao olhar por cima não vemos porque é camuflada, geralmente o tráfico envolve muita gente que não aparece. Não é uma realidade tão clara.

Nosso caminhar quaresmal não pode ser insensível a situações que atentam contra a dignidade da pessoa humana e seus direitos fundamentais, como o tráfico humano, tema da CF 2014 .Os criminosos deste tráfico exploram pessoas em várias atividades: construção, confecção, entretenimento, sexo, serviços agrícolas e domésticos, adoções ilegais, remoção de órgãos e outras.

Com esta Campanha a Igreja Católica se une a iniciativas, no intuito de potencializá-las e suscitar em suas comunidades, reflexões e ações de combate a esta chaga social. Identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar esse mal com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus. O Papa Francisco assim se referiu a prática do tráfico humano: “O tráfico de pessoas é uma vergonha para as nossas sociedades que se dizem civilizadas.”   
Que possamos ter um olhar de misericórdia para esta situação em que se encontram tantos irmãos e irmãs que a Bíblia seja nosso critério. Vamos iluminar este Tema e estes acontecimentos com a Palavra de Deus.
Rezemos com o Papa Francisco: "Peçamos ao Senhor a graça de chorar pela nossa indiferença, de chorar pela crueldade que há no mundo, em nós, incluindo aqueles que, no anonimato, tomam decisões socioeconômicas que abrem a estrada a dramas como este."        
Quaresma "tempo favorável" para reafirmarmos nossa opção por Jesus Cristo e seu Reino. tempo em que Deus quer falar no mais íntimo de nosso coração.
                Na Quarta-Feira de Cinzas  damos início ao tempo de preparação para a Páscoa. Ao colocarmos a cinzas em nossas cabeças, lembramos que somos pó e ao pó voltaremos. As cinzas significam também conversão.
                A quaresma nos faz lembrar os quarenta anos do povo de Deus no deserto a caminho da terra prometida. Também os quarenta dias que Jesus passou no deserto. A igreja nos apresenta três praticas: A ORAÇÃO, o JEJUM e a ESMOLA. A oração, nos faz voltar a ter um diálogo mais íntimo com Deus. O jejum, nos torna solidários com nossos irmãos que habitualmente passam fome, e a esmola nos ajuda a partilhar o que temos e denunciar as injustiças do acúmulo.
                Procuremos viver bem este tempo favorável com mudança de vida, conversão sincera de coração. "Voltai para o Senhor, com todo coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; rasguem o coração e não as vestes. Para que o senhor perdoe seu pecado" Jl 2,12-18. Sim, voltemos para nosso Deus pois Ele é bondoso e misericordioso.

       Boa caminhada rumo a Páscoa, onde nos encontraremos cheios de alegria.
Em Cristo

Rita Leite
Fonte: Texto - Base da CNBB